Header Ads

DEFESA CIVIL MONITORA ÁREAS ATINGIDAS POR TEMPORAIS

Nesta sexta-feira (22), o coronel do Corpo de Bombeiros Sérgio Bezerra, da Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, percorreu duas das cinco áreas afetadas pelas fortes chuvas da semana.
Durante a visita técnica de monitoramento, ele avaliou as condições estruturais do solo por onde a água passou. Enquanto isso, a comunidade começou a voltar com os pertences para reocupar as casas invadidas pela correnteza.
Ana Cláudia Feliz, de 35 anos, mora na Vila Cauhy, no Núcleo Bandeirante, desde que nasceu. Ela perdeu roupas, colchões e cobertores durante a enchente. Na casa dela é possível até ver a marca da água a 1 metro de altura. "Depois do susto, agora resta ver o que foi possível salvar e recomeçar”, afirmou, ao comemorar o fato de não ter perdido qualquer eletrodoméstico.
Controle de riscos
Durante o percurso, o responsável pela subsecretaria avaliou o risco de erosão e ainda as possibilidades de queda de barrancos e de deslizamento de terra. "Na Vila Cauhy e em Sobradinho II não há alteração significativa", informou o coronel, que esteve nos dois locais, enquanto outros 30 agentes fiscalizavam as outras áreas mais atingidas: São Sebastião II, Estrutural e Fercal. Segundo o militar, existe também monitoramento por radar das condições climáticas e do deslocamento das nuvens.
Sessenta famílias deixaram suas casas após as fortes chuvas de terça-feira (19) na Vila Cauhy, mas começaram a voltar gradativamente no dia seguinte. Na quarta-feira, no Morro Azul, em São Sebastião, cinco casas foram interditadas por causa de avarias na estrutura. No mesmo dia, em Sobradinho II, um prédio de dois pavimentos apresentou rachaduras em diversos pontos e precisou ser interditado. A Fercal foi afetada por deslizamento de terra, mas sem vítimas envolvidas. Em todos os casos, as pessoas foram para casa de parentes e amigos e não pediram auxílio da assistência social do governo.
Apesar dos estragos, o coronel afirmou que a Defesa Civil está preparada para agir nesse tipo de situação. Equipes continuarão a monitorar 36 áreas consideradas de risco em todo o DF durante o período chuvoso, até provavelmente o fim de março.
Em setembro de 2015, a subsecretaria promoveu três reuniões: com as administrações de regiões com áreas de risco; com secretarias e órgãos públicos relacionados à segurança e à prestação de serviços públicos; e com a Casa Civil. Segundo Bezerra, os encontros deram suporte para a elaboração de ações de enfrentamento, como retirada das pessoas e instalação de postos de comando para distribuição de mantimentos e colchões.
Barragem
Em virtude do grande volume de água, a Companhia Energética de Brasília (CEB) precisou abrir, na noite de quinta-feira (21), as três comportas da barragem do Lago Paranoá a uma altura de 15 centímetros. De acordo com a CEB, o reservatório se aproximou do limite máximo de 1.000,8 metros acima do nível do mar, estabelecido pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento.
Segundo o diretor da CEB Geração, José Henrique Vilela, a medida está prevista para seguir até o fim desta sexta-feira e tem o objetivo de evitar o transbordamento do lago. A abertura proporciona uma vazão para o Rio São Bartolomeu de 23 metros cúbicos por segundo.

Fonte: Agência Brasília

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.