Header Ads

CAMPANHA NO TRÂNSITO SALVA VIDAS DESDE DE 1996

O patrimônio mais valioso da Campanha Paz no Trânsito está nas vidas salvas a partir de agosto de 1996, com a redução dos acidentes fatais e de mortos e feridos no Distrito Federal. Mas houve ganhos também para o Brasil. O projeto de lei que reformou o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) mofava havia três anos na Câmara dos Deputados. Acabou desengavetado quando Brasília parou para exigir providências. O respeito à faixa de pedestres começou pela capital e ainda é exemplo para o resto do país. Mas outras conquistas, como o placar da vida, se perderam com o tempo.
Na edição de ontem, o Correio mostrou que 25 mil pessoas ocuparam o Eixão para pedir paz no trânsito, há 20 anos. À época, o deputado federal Augusto Carvalho acompanhou os trâmites para a aprovação do CTB. “Naquele momento, quando os números de mortos refletiam estatísticas macabras, o Correio deu início ao movimento que representava o sentimento da opinião pública. Sem esse trabalho, certamente, a aprovação (do CTB) teria demorado ainda mais”, ressalta o político, de volta à Câmara dos Deputados pelo SD-DF. Os parlamentares aprovaram o CTB quatro anos, quatro meses e três dias após a primeira leitura em plenário.
A sistematização das informações sobre acidentes e vítimas por parte do Departamento de Trânsito do DF (Detran) é outro legado da Paz no Trânsito. Assim como o investimento em carros e pessoal para a fiscalização. “Sabíamos que tínhamos um problema, mas não tínhamos como provar. Faltavam números”, lembra Luís Miúra, diretor do Detran à época do início da campanha.
Em 1996, o Detran tinha 50 agentes. Já no fim de 1998, esse número dobrou, assim como a quantidade de viaturas, que saltou de 25 para 50. Algumas das medidas anunciadas sequer saíram do papel, como a divulgação dos nomes dos infratores nos jornais e a aplicação de multas a motoristas que ultrapassassem agentes de trânsito cujos carros estivessem com a placa indicando o limite de velocidade da via (veja quadro). Hoje, o Detran tem 612 agentes de fiscalização.
Tragédia
Ao fim de três anos, de 1996 a 1999, o número de mortos caiu de 704 para 431: 38,7%. O engenheiro Antônio Carlos Lins e a mulher dele, Vanda Maria Dias Lins, acompanhavam as transformações no trânsito, em 11 de junho de 1999, quando foram arrastados para uma tragédia. O filho mais velho, Carlos Augusto Dias Lins, 17 anos, pedalava na QI 10 do Lago Sul quando foi atingido por um motorista que disputava racha. Kadu, como era conhecido, morreu sete dias depois.
Superar a dor passou a ser um desafio. A busca por justiça, uma meta. Antônio prestou vestibular para direito. Tornou-se advogado e atuou como assistente de acusação da promotoria no caso do filho. Nos seis dias de julgamento, não verteu uma lágrima. Vanda apegou-se à fé. Ingressou em grupos da igreja e fazia trabalhos voluntários em hospitais. Alexandre, então com 13 anos, amparava-se nos próprios amigos e nos do irmão mais velho, que o cercavam de cuidados. Tornou-se advogado, mas escolheu ser bombeiro. É subcomandante do quartel do Lago Norte, onde mora a família.
Alexandre pensou em desistir do curso de formação de bombeiro. “Eu era cadete. A sigla é CAD e o meu sobrenome Lins. Lembro que abaixei a cabeça e perguntei: ‘Meu Deus, o que estou fazendo aqui?’ Abri os olhos e vi a inscrição na minha blusa: CAD Lins. Carlos Augusto Dias Lins (o nome completo do irmão), pensei. Naquele momento, eu soube por que estava ali”, comentou, aos prantos, amparado pela mãe.
Do sofá de casa, Antônio assistiu à cena com os olhos marejados. “Não queríamos que o Kadu fosse mais um na estatística. Conseguimos a primeira condenação do DF por homicídio no trânsito com dolo eventual. Isso abriu um precedente e mostrou para a sociedade que haveria punição rigorosa para casos como aquele”, ressaltou.
Retomada
Diretora de educação do Detran, Gláucia Simões explica que, embora não tenha o mesmo destaque de 20 anos atrás, a Paz no Trânsito fazer parte das estratégias de educação e das articulações com diferentes setores do governo. Ainda segundo ela, o órgão ampliou o investimento na educação do condutor. Ano passado, foram gastos R$ 12 milhões em campanhas publicitárias. A previsão para 2016 é de R$ 20 milhões.
Gláucia lembra que a maioria das mortes é resultado do mau comportamento. “As pessoas ainda não entenderam que a ação delas altera o número de acidentes em vias públicas”, frisa.
"Conseguimos a primeira condenação do DF por homicídio no trânsito com dolo eventual.
Isso abriu um precedente e mostrou para a sociedade que haveria, sim, punição rigorosa para casos como aquele”.
Fonte: Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.