Header Ads

PROPOSTA DE REFORMA PREVIDENCIÁRIA VAI POUPAR MILITARES

Os militares serão poupados pelas propostas de reforma de Previdência Social que o governo promete encaminhar ao congresso até o fim do ano informou o ministro Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil e principal articulador do governo presidente interino, Michel Temer, nas negociações para aprovar o projeto.
A equipe que discute a proposta do governo defendeu a aplicação das novas regras aos militares, mas a ideias foi descartada. “Os militares estão fora da reforma, das novas regras”, disse Padilha.
“ Eles têm ume regime separado, um beneficio previsto constitucionalmente pela dedicação ao estado brasileiro”
No ano passado, o pagamento de pensões e aposentadorias a militares superou em R$32,5 bilhões as contribuições recebidas da corporação para o custeio dos benefícios, o equivalente a 45% do déficit acumulado pelo governo federal com a previdência dos funcionários públicos.
O governo deve propor ao congresso o estabelecimento de regras uniformes para trabalhadores do setor privado e servidores público, que hoje têm, regimes diferentes.
As forças Armadas se opuseram à ideia argumentada que são proibidos de fazer greve, são transferidos para locais distantes constantemente durante a carreira e estão vinculados a regime de dedicação exclusiva do país.
A intenção do governo é tomar medidas administrativas para reduzir o déficit da previdência dos militares, como as adotadas em 2001. Filhas de militares que entram na carreira a partir daquele ano perderam o direito à pensão garantida às filhas solteiras dos mais antigos, que desde então foram chamados a pagar uma contribuição extra para assegurar o benefício.
Padilha disse não temer que a exclusão dos militares mine o esforço do governo para reduzir o déficit e aprovar a reforma no congresso, argumentando que os militares costumam se aposentar após completar 60 anos de idade. Trabalhadores do setor privado se aposentem mais cedo, aos 59,4 anos em média.
O ministro afirmou que não há nenhum estudo para elevar a alíquota da contribuição previdenciária dos trabalhadores. Se houver necessidade de aumentar algum tributo no futuro para financiar o sistema, será escolhido um que atinja toda a sociedade, disse o chefe da casa civil.
As projeções do governo mostram que os gastos com benefícios previdenciários no setor privado vão praticamente dobrar até 2060 se nada for feito. A reforma proposta pelo governo manteria as despesas ao redor de 8% do PIB ( Produto Interno Bruto) pelo menos nos próximos 15 anos.
O Plano do governo é fixar idade mínima de 65 anos para aposentadoria e obrigar trabalhadores com até 50 anos de idade a seguir as novas regras. Para os mais velhos, haveria uma transição para o novo modelo.

Fonte: Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.