Header Ads

JUSTIÇA ANALISA PEDIDO DE DEVOLUÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CLDF A CELINA LEÃO

Por Otávio Augusto 
Distritais voltam a ter caminhos políticos cruzados na Justiça, que analisa, amanhã, em pedido que pode dar à presidente afastada da Casa o retorno ao trono. No dia seguinte, clã Roriz vai à berlinda, pondo em risco os direitos políticos de Liliane
Há dois meses a capital federal assistia atônita ao escândalo que acabou por deflagrar a Operação Drácon, que apura a suposta cobrança de propinas sobre créditos orçamentários da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), no valor de R$ 30 milhões, para o pagamento de dívidas do governo com empresas de UTI. O caso denunciado pela deputada Liliane Roriz (PTB), que enfrenta um processo de cassação de mandato, ficou conhecido como UTIGate. A fraude envolve um quarto da Câmara, inclusive parlamentares do alto escalão (leia Entenda o caso). A Justiça tomou uma decisão inédita e da mesma magnitude: afastou toda a Mesa Diretora da Casa, incluindo a então presidente, Celina Leão (PPS), acusada de participar do esquema. Nesta semana, os destinos de Celina e Liliane voltam a ter os caminhos políticos cruzados: a primeira pode retomar o cargo de chefe do legislativo. A outra, se tornar ficha suja.
Amanhã, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça analisa o pedido de reconsideração da decisão que tirou Celina do comando da Câmara. Na quarta-feira, a 5ª Turma Cível conclui o julgamento da ação de improbidade administrativa que pode suspender os direitos políticos de Liliane por dez anos a decisão influencia diretamente o processo de cassação da parlamentar na CLDF. Trata-se de uma das maiores questões do legislativo local em seus 25 anos de atuação. O desfecho das duas situações pode criar uma reviravolta no cenário político do DF.
Sob o argumento de que era “dispensável” o Ministério Público (MPDFT) pedir o afastamento da Mesa Diretora no fim de semana, a defesa de Celina questiona o fato de a decisão ter vindo de um desembargador plantonista. O advogado Eduardo Toledo ainda entende que o caso deveria ter sido julgado pela Justiça Federal, por envolver suspeita de crime de evasão de divisas e lavagem de dinheiro considerados crimes federais. Estamos discutindo a ausência de fundamentação para afastar a deputada da presidência. A medida drástica não levou em consideração que Celina não atrapalhava as investigações e que não há indícios de que as práticas continuavam. A matéria se refere a acontecimento de meses antes, em dezembro”, explica Eduardo.
A ação, que pede retorno dos parlamentares à Mesa Diretora, representa apenas os interesses de Celina. Entretanto, com uma eventual reconsideração da Justiça, os outros três deputados afastados Raimundo Ribeiro (PPS), Júlio César (PRB) e Bispo Renato Andrade (PR) também podem ser beneficiados e voltam a exercer as funções no comando da Casa. Apesar do afastamento, os distritais mantêm os mandatos.
Análise governista
A composição da nova Mesa Diretora da Câmara Legislativa colocou na linha de frente deputados distritais aliados do governador Rodrigo Rollemberg (PSB). A começar pelo presidente em exercício da Casa, Juarezão (PSB), que migrou para o partido do chefe do Executivo local há sete meses. A hipótese de os distritais afastados retornarem ao comando da Câmara, sobretudo Celina, desagrada o Palácio do Buriti. Para o Executivo local, Juarezão tem função estratégica, apesar da pouca experiência como liderança, por ser da base aliada.
Com as bênçãos do governador, o distrital lançou-se para a disputa à vice-presidência e saiu vitorioso com 14 votos. O parlamentar foi um dos personagens do escândalo dos grampos no Buriti. Em uma conversa com Rollemberg, outros parlamentares e assessores, o deputado disse que o governo sofria derrotas na Câmara porque não estava dividindo o bolo” igualmente.
Alto escalão
Celina Leão (PPS) e os deputados Raimundo Ribeiro (PPS), Júlio César (PRB) e Bispo Renato Andrade (PR) deixaram a Mesa Diretora da Câmara Legislativa em 22 de agosto, após a Justiça acatar a acusação do Ministério Público (MPDFT), de que a presença deles atrapalharia as investigações. No mesmo dia, o desembargador Humberto Adjuto Ulhoa também determinou o cumprimento de 14 mandados de busca e apreensão e oito de condução coercitiva quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento.
Fonte: Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.