PIAUÍ INAUGURA MAIOR PARQUE DE ENERGIA SOLAR DA AMÉRICA LATINA


Em meio ao semiárido quente e seco do município de Ribeira do Piauí (a 500 km de Teresina), o maior parque de energia solar em operação da América do Sul — em extensão e área ocupada — foi inaugurado nesta terça-feira (28).
A energia produzida pelas cerca de um milhão de placas solares do parque é capaz de abastecer ao ano, permanentemente, 300 mil residências. São 930 mil painéis solares distribuídos em 690 mil hectares.
A tecnologia desenvolvida pelo Parque Solar Nova Olinda entra em plena operação com capacidade de geração de 292 MW, conforme explicou o gerente do parque, Tomassio Quadrini. E isso também faz com que ele seja o que mais produz energia no território sul americano.
O investimento da Enel Green Power, companhia privada de investimentos globais, e responsável pela instalação do centro, foi de mais de 300 milhões de Dólares.
O gerente do Parque esclareceu que o empreendimento é fruto de um Leilão que foi feito em 2015. “Tínhamos que colocar em operação em dois anos e foi concluído em 14 meses. É fruto do trabalho de todos os envolvidos”, enalteceu.
Carlo Zorzoli, presidente da Enel no Brasil, explica que o custo da energia solar está diminuindo drasticamente, o que permite que se invista mais nesse tipo de produção. “Está baixando mais rapidamente. Hoje ela custa 1/4 do que custava em 2009 e é a que mais vai ter custos reduzidos com o tempo. Com isso, vai se gerando mais oportunidades como a instalação do Parque, o que implica em mais emprego e mais renda”, destacou.
Ele destacou que o Nova Olinda é um marco para grupo Enel Brasil e para energia solar no Brasil. “O sol está ajudando a transformar parte do sertão em um verdadeiro mar de painéis solares”.
Força de trabalho
Atualmente trabalham no Parque, cerca de 1.700 pessoas, da área administrativa ao trabalho de campo. A maioria é de outros Estados, como Rio de Janeiro e São Paulo. Há em minoria estrangeiros, como italianos. Do total, diariamente, entre 40 a 50 pessoas fazem a manutenção de operação das placas.
Quanto a mão de obra local, o gestor global da empresa, Antônio Cammisecra, conta que são cerca de 50, mas que a tendência é que esse número se expanda com o tempo porque é prática do grupo investir na capacitação de mão de obra local.
Queremos fazer aqui (no Piauí) uma nova usina maior e mais tecnológica”, disse Cammisecra e não quis informar detalhes de quando e onde seria construída.
Com informações da cidade Verde

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.