VENEZUELA E MOÇAMBIQUE DÃO CALOTE DE R$ 1.5 BI E BRASIL BUSCA RECURSO PARA NÃO VIRAR MAU PAGADOR

Governo precisa aprovar inclusão de R$ 1,3 bi no Orçamento para fazer pagamento até 8 de maio
Por Daniel Carvalho e Talita Fernandes
Após Venezuela e Moçambique deixarem de pagar R$ 1,5 bilhão por obras e serviços, o governo brasileiro tenta mobilizar sua base aliada no Legislativo para que o Congresso aprove a inclusão no Orçamento de cerca de R$ 1,3 bilhão necessário ao fundo garantidor de exportações para pagar financiamentos do BNDES e do Credit Suisse.
“No momento da exportação, existe o fundo garantidor que garante que os bancos podem operar essas exportações e, em caso de não pagamento, o fundo garantidor paga. O não pagamento teria consequências completamente indesejadas. O Brasil se tornaria inadimplente. Temos necessidade de fazer este pagamento para que continuemos gozando da real condição de bons pagadores”, disse nesta quinta-feira (26) o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo).
O líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), disse que o fundo garantidor não tem recursos para esse pagamento.
"Portanto, nós vamos ter que, pelo governo brasileiro, por uma questão de Estado, fazer o pagamento ao Credit Suisse e ao BNDES", disse Jucá em nota.
O presidente Michel Temer reuniu líderes de parte de sua base aliada nesta manhã para pedir que eles mobilizem suas bancadas para que apareçam em Brasília na quarta-feira (2), quando está marcada sessão do Congresso para votar o projeto que, se aprovado, garantirá os recursos para evitar que o Brasil se torne devedor.
Com o feriado do Dia do Trabalhador na terça-feira (1º), no entanto, havia a expectativa de que Câmara e Senado ficassem esvaziados durante toda a semana, já que não é comum haver atividades nas quintas e sextas-feiras.
Ao final de um evento sobre segurança pública nesta quinta, no Palácio do Planalto, Temer fez um apelo para que o Congresso aprove o recurso extra para o orçamento.
​"[Gostaria de solicitar que] nós possamos ter presença a fim de votar um projeto de lei que trata de recursos financeiros afim da União cumprir compromissos que são indispensáveis que sejam cumpridos neste período, que são compromissos assumidos no passado, portanto, não no nosso governo, mas que este governo tem que cumprir", afirmou.
Apos a reunião, Marun convocou a imprensa para explicar a situação do governo, que tem que efetuar o pagamento de ao menos R$ 1 bilhão até o dia 8 de maio.
“Há recursos, mas não previsão orçamentária”, disse Marun, sem detalhar de onde virá o dinheiro para pagar o calote nem quais foram as obras e serviços.
"Esses recursos são do fundo garantidor que é uma operação do governo com recursos para garantir as exportações. É muito importante que haja a dotação para que o Brasil não fique inadimplente, para que tenhamos a condição de cumprimento de Estado. Caso não honre, o Brasil fica inadimplente perante o sistema financeiro internacional, o que é uma sinalização muito ruim", afirmou Jucá.
O projeto que será encaminhado ao Congresso deve ser apresentado até esta sexta-feira (27).
Segundo Marun, a maior parte da dívida é da Venezuela, US$ 270 milhões (cerca de R$ 950 milhões).
Em janeiro, a Venezuela havia pagado parcela de US$ 262,5 milhões da dívida vencida em setembro com o Brasil evitando assim formalização de calote.


Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.