QUEIMAÇÃO DE FILME, UMA VERGONHA SEM PRECEDENTES?


Queimação de filme?
Por Renato Riella
Está pegando fogo a “eleição” dos administradores regionais
Coisas novas geram coisas novas. O anúncio do governador Ibaneis de que vai ouvir as comunidades para escolher os administradores regionais é uma coisa nova.
Mas gerou uma coisa novíssima: A disputa feroz entre centenas (ou milhares) de lideranças comunitárias, religiosas, esportivas, musicais, de bairro ou de quadra, etc, etc.
Virou uma guerra!
O atual governador Rodrigo Rollemberg teve seu principal fracasso nessa questão. Ele prometeu abertamente, na campanha eleitoral, que faria eleição direta para a escolha de cada administrador regional.
Depois deu uma banana para o povo. No primeiro momento, nomeou administradores arbitrariamente, junto com o vice-governador Renato Santana, que era o coordenador das administrações regionais.
Quando Renato Santana virou a cabeça e começou a trabalhar só pensando na própria eleição, Rollemberg rompeu de modo inconstitucional com ele, que se transformou num nada, uma alma penada dentro do Buriti.
Rodrigo passou a usar os piores métodos para escolher administradores regionais, “vendendo” as RAs para deputados distritais burros, que se queimaram com isso.
O distrital Lira é o pior exemplo. Ele trocava de administrador em São Sebastião como quem troca de fraldas. Quando o administrador começava a se destacar, era derrubado pelo ciúme do Lira. Assim, São Sebastião naufragou e o deputado distrital, também, perdendo feio a eleição.
Agora temos o método Ibaneis para resolver este problema, mas as regras não estão ainda definidas. O governador eleito, quando presidente da OAB/DF, defendeu a participação do povo na escolha dos administradores regionais. Mas é tarefa quase impossível de ser bem resolvida.
Há 31 RAs hoje e Ibaneis promete criar, de imediato, mais duas (Sol Nascente e Por do Sol), duas ex-favelas que serão desmembradas de Ceilândia.
No novo governo, durante os três primeiros meses, Ibaneis indicará administradores provisórios. Nesse período, vai mesmo ouvir a comunidade, que deverá apresentar a ele uma lista tríplice com três nomes. Desses, ele escolherá um administrador regional.
É a única fórmula possível, pois as cidades do DF não são reconhecidas pela Constituição. Isto é: Não são municípios. Assim, não dá para realizar uma eleição formal, sob as regras da Justiça eleitoral.
E aí vem a complicação. Ansiosa e desesperada, a população de cada cidade está se mexendo de forma neurótica para “eleger” possíveis administradores.
Calma, pessoal! Faltam quase dois meses do governo Rollemberg e mais três meses de administrações provisórias.
Não adianta perder tempo agora, quando Ibaneis ainda não disse como pretende mesmo dirigir este processo.
Há coisas malucas! Circulam nas redes sociais enquetes em que centenas de pessoas votam para indicar nomes de “administradores”.
Essas pesquisas não valem nada!
Por exemplo, um possível candidato, se tiver saco para isso, pode votar mil vezes em si mesmo.
Eleitores” do Núcleo Bandeirante votam em listas da Ceilândia, e assim por diante. É só barulho. Sem valor técnico nessas pesquisas.
O mesmo se diz da representatividade de entidades para indicar candidatos. Nunca vi tanta associação, tanta instituição falante em nome da sociedade.
Em Taguatinga, por exemplo, uma das mais vibrantes é o Clube do Jeep.
Nesta mesma Taguatinga parece que existem seis rotarys clube, etc, etc.
Acompanho dezenas de grupos nas redes sociais e dou muita risada com tudo.
O pior é que o ‘Fake News’ e o denuncismo começam a florescer. Dossiês contra possíveis candidatos aparecem aqui ou ali. Vai acabar em tiroteio!
Moral da história: Este povo do DF é mesmo apaixonado por política. A gente saiu de uma eleição e entrou em outra. Haja paciência!
Fonte: Renato Riella é Jornalista / SOS Brasília


Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.