.

LUCRO COM CRIME ORGANIZADO EXPLICA APOIO DA CÚPULA MILITAR A MADURO


Por Cristiano Dias
Hiperinflação, recessão econômica, escassez de remédio, fome, falta de liberdade política, epidemias e imigração em massa. Motivos para enterrar o chavismo não faltam, mas por que o presidente Nicolás Maduro não cai? Segundo analistas consultados , a proteção das Forças Armadas é só uma meia resposta. Por trás do apoio dos generais está o lucro do crime organizado, em parte controlado pelos próprios militares.
Diosdado Cabello,  que dirige a Assembleia Constituinte, é o homem- forte do chavismo. O ex-vice-presidente Tareck El Aissami é hoje o ministro da Indústria. Néstor Reverol comanda o Ministério da Justiça. A primeira-dama Cilia Flores é também procuradora-geral. Todos estão sob sanções dos EUA e exibem uma ficha corrida quilométrica, que inclui tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. 
Segundo relatório do grupo Insight Crime, que monitora o crime organizado na América Latina, há provas contundentes do envolvimento de 123 funcionários do governo venezuelano em diferentes atividades criminosas.  Luis Cedeño, diretor da ONG Paz Ativa, disse que pelo menos 40 militares de alta patente estão metidos com o narcotráfico.
O crime organizado floresce no ambiente caótico criado pelo chavismo. Com suas instituições em pandarecos, a Venezuela é o cenário perfeito para um longo catálogo de delitos. O principal deles, o tráfico de cocaína, é disputado por vários grupos que movem a droga pelo território venezuelano em direção aos EUA e à Europa.
Como qualquer mercadoria, a cocaína tem um custo que envolve matéria-prima, mão de obra e materiais de produção. Para a Venezuela, é a tempestade perfeita. A vizinha Colômbia é a maior produtora mundial de folha de coca. Em 2017, o país tinha cerca de 200 mil hectares cultivados, o bastante para produzir mais de 900 toneladas de cocaína por ano, segundo estimativas do Escritório de Controle de Drogas dos EUA.
Para tratar a pasta de coca é preciso um solvente orgânico e a Venezuela tem a gasolina mais barata do mundo. Na Colômbia, o litro custa cerca de 2.400 pesos (R$ 2,87), mas os traficantes colombianos pagam 30 pesos (R$ 0,04) pelo litro contrabandeado do país vizinho.
Por fim, a mão de obra é fornecida pelo estado catastrófico da economia venezuelana. Desde 2015, dos mais de 3 milhões de pessoas que fugiram da Venezuela,, pelo menos 1 milhão se instalou na Colômbia, formando um exército de famintos dispostos a trabalhar por qualquer trocado e produzir na fronteira a cocaína mais barata do mundo. “Os militares venezuelanos são fundamentais no esquema, porque são eles que movem a droga”, diz Cedeño.
Nos anos 2000, quando os colombianos começaram a explorar a rota venezuelana, os militares recebiam propinas para ignorar os carregamentos. Com o tempo, de acordo com vários consultores e relatórios de agências especializadas, os narcotraficantes da Colômbia começaram a pagar subornos em cocaína, obrigando os militares venezuelanos a entrar no mercado para vender o produto.
Obviamente, não existe nenhum processo na Venezuela que envolva funcionários do governo com o tráfico de drogas. No entanto, chavistas de todas as castas surgem em investigações, testemunhos, delações e apreensões de drogas fora do país.

Aissami fou um dos primeiros a ser sancionado pelos EUA.. Ele era vice-presidente quando foi acusado pelo narcotraficante Walid Makled de estar envolvido com o narcotráfico. Conhecido como “El Turco”, Makled era um dos criminosos mais procurados do mundo quando foi preso na Colômbia, em 2011. “Todos os meus sócios são generais venezuelanos”, afirmou “El Turco”, que confessou ter financiado campanhas do PSUV, partido de Maduro, e de ter vários chavistas na sua folha de pagamento.
Em 2014, Leamsy Salazar, ex-segurança de Diosdado Cabello, fugiu para Washifton e etregou o chefe para os americanosEm setembro, em reunião do Conselho de Segurança da ONU, Nikki Haley, então embaixadora dos EUA, se tornou a funcionária de mais alto escalão do governo americano a dizer que Cabello é “um ladrão e um narcotraficante que utiliza seu poder para encher os próprios bolsos”.
Em 2015, outra peça se encaixou no quebra-cabeças: o escândalo dos “narcossobrinhos”. Efraín Flores e Francisco Flores de Freitas, sobrinhos de Cilia Flores, mulher de Maduro, foram presos no Haiti e levados para Nova York, onde foram julgados e condenados a 18 anos de prisão por tentar levar 800 quilos de cocaína para os EUA.
Em 2016, foi a vez de Néstor Reverol, que era czar antidrogas de Maduro. Ele foi indiciado nos EUA por receber para avisar os narcotraficantes  sobre as posições dos agentes americanos no Caribe. No dia seguinte, Reverol foi promovido a ministro do Interior.
Em vez de afastar, Maduro promove os acusados de narcotráfico a cargos importantes dentro do Estado”, afirma a venezuelana Vanessa Neumann, diretora de uma empresa de consultoria de risco político com sede em Washington. “Se o chavismo cair, quem mais perderia é a cúpula do crime organizado, onde se escondem muitos militares que estão dispostos a qualquer coisa para preservar o regime.”

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.