.

FOLHA ATACA FELIPE MARTINS POR CITAR POEMA DE DYLAN THOMAS, TAMBÉM CITADO POR ATIRADOR DA NOVA ZELÂNDIA


Segundo textículo do jornal "de qualidade", citar o poema famosíssimo de Dylan Thomas "pega mal" já que o atirador da Nova Zelândia também o cita num manifesto que ninguém leu.
Por Flávio Mogenstern
A grande e velha mídia teve seus últimos estertores de dignidade e utilidade nas denúncias do mensalão e petrolão: hoje, ela é apenas e tão somente assassinato de reputação. Filipe Martins, assessor especial para assuntos internacionais de presidência da república e ex-colunista deste Senso Incomum foi alvo da máquina de moer reputações por citar o nome do poema Do not go gentle into that good night, do poeta galês Dylan Thomas. Tudo porque o atirador da Nova Zelândia também o cita.
O texto de Ricardo Della Coletta na Folha até “lembra” que o poema já foi traduzido no Brasil por ninguém menos do que Augusto de Campos. A seguir, fica descrevendo em detalhes o supremacismo branco do atirador Brenton Tarrant da Nova Zelândia, quanta gente matou, como defendia o supremacismo racial etc etc, tudo por que ele também cita o poema famosíssimo em um manifesto que ninguém leu.
O poema também foi musicado por Igor Stravinsky. Foi inspiração de 3 pinturas de Ceri Richards. Foi transformado em música por Elliot del Borgo, John Cale G-Eazy e pelas bandas Chumbawamba, Parsonsfield, Anaal Nathrakh e Brave Saint Saturn.
Foi citado nos filmes Independence Day (no discurso do presidente, interpretado por Bill Pulmann, adaptando para “We will not go quietly into the night”, justamente falando que não podem mais ser divididos por suas diferenças), Mentes Perigosas (usado por LouAnne Johnson, interpretada por Michele Pfeiffer, para ensinar seus alunos a identificar o que aprenderam nas aulas – algo que falta aos jornalistas da Folha) e repetidamente no filme Interstellar, pelos personagens de Michael Caine, Matthew McConaughey e Anne Hathaway – só gente ruim.

O poema também aparece em um episódio do anime Digimon. Em dois episódios de Doctor Who, sendo que em um deles o poema é apresentado a William Shakespeare, e ele diz “I might use that” (cuidado, Shakespeare: a Folha vai te chamar de supremacista branco, brother). Pelo canal irlandês RTÉ Sport para promover a Copa do Mundo.
Mas, claro, todo mundo supracitado é supremacista branco e spree killer. Afinal, a Folha afiança que “pegou mal no Itamaraty” Filipe Martins citar o poema (!), segundo fontes anônimas. Ou mesmo alucinógenas.
Ou então, também é possível simplesmente afirmar que um coitado como Ricardo Della Coletta, como bem condiz ao nível de jornalismo Folha, não sabe porcaria nenhuma sobre alta cultura, algo que está infinitamente acima de suas toscas habilidades intelectuais, e apenas acionou a única função de um jornal como a Folha hoje: praticar assassinato de reputação apelando para a ignorância própria e a do leitor, sem entender que os nazistas citavam de Wagner e Nietzsche até Goethe (que teve entre seus descendentes grandes oficiais nazistas) e os Vedda sem que se tire o brilho de cada um deles.
A Folha prova que ignorância e burrice não são antônimos de maledicência e método de assassinato de reputação. Inteligência e cultura são virtudes exclusivas da mídia independente. De nada.
Fonte: Senso Incomum
Leia também:APÓS ATAQUE DA FOLHA DE S. PAULO ELISA ROBSON DESMENTE FAKE NEWS 

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.