UM ANO COM MÁQUINAS A TODOS VAPOR PELO DF


Obras abandonadas e quase nenhuma ação são páginas viradas. Projetos imprescindíveis para a mobilidade da cidade foram retomados
A Secretaria de Obras e Infraestrutura do Distrito Federal deixa 2019 marcado pela retomada de projetos imprescindíveis para a mobilidade da cidade. Com a implantação de infraestrutura em setores habitacionais, garantiu qualidade de vida para pessoas que há anos sofrem com alagamentos e poeira, por exemplo. E contribuiu com a segurança da população por meio da modernização de pontos de iluminação do DF com luminárias LED. Tudo isso com um diferencial: a habilidade de articulação política do governo para assegurar recursos por meio de emendas parlamentares.
Fim da espera pela infraestrutura
Desde o início da gestão do governador Ibaneis Rocha, dar seguimento às obras de infraestrutura do Setor Habitacional Vicente Pires foi uma de suas prioridades. Já em janeiro a equipe de obras começou a trabalhar para garantir a continuidade dos contratos em execução e o início de um, que estava parado desde o governo anterior, com apenas 1% executado. Ao todo, são 11 contratos para as obras de infraestrutura da região.
Onze meses depois, as ruas 3B, 3C, 4A, 4B, 4C, 6 e 10 estão totalmente asfaltadas. As ruas 4, 5 e 7 estão parcialmente concluídas. Das 23 lagoas de detenção previstas no projeto, 14 estão concluídas e seis estão em fase final de execução. São elas que foram o sistema de captação de água das chuvas para conter sua velocidade.
Nas ruas 3 e 8, o sistema de drenagem, responsável pela captação de boa parte da água das chuvas, está pronto e em funcionamento. A retomada da obra do Lote 8 – importante para moradores e comerciantes – foi outra conquista da atual gestão. Licitada em 2016, nunca havia saído do papel. Somente em agosto deste ano o contrato foi assinado e as obras, finalmente, iniciadas. O contrato previa a execução da drenagem das ruas 3 e 8, serviços já concluídos.
Considero a retomada das obras do Lote 8 como uma vitória fundamental, porque as ruas 3 e 8 recebem boa parte da água das chuvas. Conseguimos, em tempo recorde, concluir e colocar em funcionamento o sistema de drenagem dessas vias. Isso significa o fim dos alagamentos. Nossa meta é concluir a pavimentação o mais rapidamente possível”, comemora o secretário de Obras, Izidio Santos.
De acordo com números da Secretaria de Obras, na gestão anterior foram executados 78.488m de drenagem (média anual de 19.622m) e 471mil m² de pavimentação asfáltica (média anual de 117 mil). Somente em 2019, se executou 27.078m de drenagem e 202 mil m² de pavimentação asfáltica. Em termos financeiros, do total de R$ 224 milhões investidos na região, R$ 90 milhões foram pagos em 2019. “Os números mostram o quanto avançamos em apenas 12 meses. Prova disso é que os transtornos causados pelas chuvas estão sendo bem menores. Ainda há muito o que ser feito e nosso intuito é concluir tudo em 2020”, destaca o secretário.
Sol Nascente
O mesmo ocorre com o Setor Habitacional Sol Nascente. No Trecho 1, o previsto em contrato está concluído. No Trecho 2, as obras encontram-se 90% concluídas. No Trecho 3, os serviços estão concentrados na execução das lagoas de detenção, fundamentais para a captação da água das chuvas. Até o momento, foram executados 67% das obras de drenagem e 12% de pavimentação. A Secretaria de Obras está fazendo o levantamento do remanescente e nova licitação contemplando toda a região deverá ser realizada no primeiro semestre de 2020.
Hora de revitalizar pontos simbólicos para Brasília
Para comemorar os 60 anos, a serem completados em 2020, era preciso tirar a cidade do abandono em que estava. A Secretaria de Obras, atenta às reclamações da população, está trabalhando para devolver aos moradores espaços tradicionais da capital.
W3 Sul
Promessa de campanha do governador Ibaneis Rocha, a revitalização da W3 Sul – uma avenida que faz parte da história de Brasília – já é uma realidade. Fruto de parceria entre o Governo do Distrito Federal e a Câmara de Dirigentes Lojistas do DF, as quadras 511 e 512 Sul foram as primeiras a receber as melhorias. No local, foi investido R$ 1,8 milhão para a reorganização dos estacionamentos, arborização e paisagismo, a revitalização dos becos entre os blocos, a recuperação e troca de piso das calçadas existentes, entre outros serviços.
A região estava havia muito abandonada, esquecida pelas gestões anteriores e, consequentemente, pela própria população do DF. Com a revitalização, queremos mudar definitivamente essa situação e restabelecer a W3 Sul como importante centro comercial e de lazer de Brasília”, ressalta o secretário de Obras, Izidio Santos.
A recuperação da W3 Sul continua em 2020. Já está em licitação o projeto de revitalização das 509/510 Sul. Assim como ocorreu com na 511 e 512, a ideia é transformar as quadras em praças de convivência.
SRTVS e SCS
O mesmo será feito nos tradicionais setores de Rádio e TV e Comercial, ambos na Asa Sul. A previsão da Secretaria de Obras é que o trabalho comece no primeiro trimestre de 2020, já que a licitação para a contratação das empresas está em fase adiantada.
O projeto de recuperação desses espaços – em especial a Praça do Povo – tem como objetivo fomentar o uso do transporte público e dos pedestres, propondo intervenções que possibilitem o deslocamento de pessoas com deficiência e ciclistas por todo o lugar.
Determinação para retomar obras paradas
Ainda na transição, a Secretaria de Obras fez um levantamento da situação das obras no Distrito Federal, a pedido do governador Ibaneis Rocha, que determinou todo empenho da equipe para que tudo que estivesse parado fosse retomado. Assim foi feito.
Bernardo Sayão
Retomadas em julho deste ano, após meses de paralisação, as obras de infraestrutura nos lotes 2 e 3 do Setor Habitacional Bernardo Sayão estão com mais de 50% dos serviços de drenagem e pavimentação concluídos. Até o momento, foram executados 52,52% dos 3,3km de drenagem e 52,38% dos 33km de pavimentação previstos para o Lote 2, o mais adiantado do Setor Habitacional.
No aspecto financeiro, a evolução da obra é ainda mais evidente. De 2016 a 2018, foram desembolsados R$ 2,4 milhões. Em 2019, em apenas cinco meses já foram investidos R$ 5,1 milhões na região.
Viaduto EPTG/EPCT
Outra importante obra retomada nesta gestão foi o alargamento do viaduto da Estrada Parque Taguatinga (EPTG) e da Estrada Parque Contorno (EPCT). Os viadutos (foto abaixo) foram unificados e agora contam com 41,80 metros de largura com 11 faixas, entre 3,5 e 4,0 metros. As obras custaram aos cofres públicos R$ 5,1 milhões.
Praça da Juventude do Itapoã
Demanda antiga da população, as obras, paralisadas desde 2015, foram retomadas em junho deste ano, com investimentos de R$ 2,2 milhões. Em uma área de 6.000m², o espaço contará com pistas de caminhada, salto triplo e salto à distância, quadra de vôlei de praia, etc.
E para começar do começo
O ritmo de ações imposto por este governo em seu primeiro ano foi determinante para colocar máquinas em todos os cantos do Distrito Federal. Não só foram retomadas obras paradas, como também foram iniciadas várias – muitas, pendentes por falta de projetos, questões financeiras etc. A ordem foi tirar tudo do papel.
Rota de Segurança/SIA
Orçado em R$ 10,1 milhões, o projeto (foto) prevê a continuidade das vias já existentes (IN-1 e IN-2), seguindo paralelamente à via férrea até o Conjunto Lúcio Costa, onde se incorporam à via marginal da Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Cada uma das duas novas vias terá duas faixas de rolamento (mão dupla), com 7 metros de largura, calçadas e ciclovia, numa extensão total de 3,7km.
Campos de futebol
Demandas antigas da população de Planaltina e Santa Maria, a Secretaria de Obras transformou em realidade a construção dos campos de grama sintética de Planaltina e Santa Maria. Os recursos de R$ 1,4 milhão são oriundos de emendas parlamentares.
Viaduto Epig
A licitação para a construção do viaduto da Estrada Parque Indústrias Gráficas (EPIG) está em andamento. O viaduto será construído na intersecção da Epig com o Sudoeste e o Parque da Cidade – local por onde passam, em média, 22 mil veículos por dia.
Com a mudança, quem sair do Parque da Cidade em direção ao Sudoeste não terá mais de passar por semáforos e retornos. Seguirá direto para a Avenida das Jaqueiras, passando por baixo da Epig. A obra também permitirá sair do Sudoeste, na altura da avenida, e pegar a Epig sentido Plano Piloto — e vice-versa — sem a necessidade de retorno.
Parcerias para realizar
A união de órgãos do GDF entre si e com instituições financeiras e de ensino e pesquisa permitiu a execução de muitas ações, sempre com o objetivo de dar mais qualidade de vida à população.
Iluminação pública
Em parceria com a Companhia Energética de Brasília (CEB) e com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), foram investidos R$ 18,6 milhões na melhoria da iluminação pública da cidade (foto abaixo). Desse montante, R$ 9,9 milhões foram aplicados no programa de eficientização energética e outros R$ 8,8 milhões na revitalização e melhoria dos espaços públicos. Ao todo, foram trocadas 11.716 luminárias convencionais por luminárias de LED, mais eficientes e econômicas.
A Secretaria de Obras firmou convênios importantes com a Terracap, dentre os quais se destacam a destinação de R$ 150 milhões para a conclusão das intervenções no Setor Habitacional Vicente Pires, a liberação de R$ 13 milhões exclusivamente para as obras do Lote 3, na mesma cidade, e a destinação de R$ 10,1 milhões para a via de Ligação do Setor de Inflamáveis.
Caixa Econômica Federal
Neste ano, a atual gestão conseguiu regularizar pendências importantes com a Caixa Econômica Federal (CEF), herdadas de gestões anteriores. O contrato de financiamento de Buritizinho foi definitivamente encerrado com a entrega de cadastro das obras e o cercamento da lagoa.
Com isso, foram liberados R$ 3 milhões para o último pagamento das empresas executoras da obra. Também foram definitivamente encerrados os contratos de financiamento da Feira da Estrutural e da Praça da Juventude da Ceilândia. “Essas pendências com a Caixa impediam que essas obras fossem entregues à administração pública”, conta o secretário de Obras, Izidio Santos Junior.
Vistorias de viadutos
Também foram firmadas parcerias com instituições de ensino superior do Distrito Federal para que os alunos dos cursos de engenharia participem das equipes que vão fazer vistorias cadastrais nas mais de 700 pontes e nos viadutos da cidade. As inspeções começaram em outubro e, desde então, foram vistoriados 22 viadutos.
Fonte: Agência Brasília

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.