TECNOLOGIA ISRAELENSE PODE AJUDAR A IMPEDIR A DISSEMINAÇÃO DO VÍRUS CORONA


Por Thaís Gracia
Enquanto o surto do vírus corona de Wuhan continua a se espalhar, duas empresas israelenses estão finalizando o desenvolvimento de máscaras faciais reutilizáveis ​​antivirais revolucionárias. As máscaras poderiam ser ferramentas vitais de prevenção em epidemias como a do vírus corona.
A empresa israelense Sonovia desenvolve máscaras faciais antivirais que podem impedir a disseminação do novo vírus corona.
Israel possui tecnologias que podem apoiar o controle dessa epidemia”, disse Liat Goldhammer-Steinberg, executivo da Sonovia em Ramat Gan, em Israel.
Pelo menos 170 morreram por complicações do corona de Wuhan, também chamado de 2019-nCoV.
O vírus é transmitido por via aérea e contato direto. A Organização Mundial da Saúde relata aproximadamente 7.783 casos de infecção desde 31 de dezembro. A maioria dos casos está na China (7.678). Alguns foram confirmados em outros países: Tailândia: 14, Japão: 11, Hong Kong: 10, Singapura: 10, Taiwan: 8, Austrália: 7, Macau: 7, Malásia: 7, França: 5, EUA: 5, Alemanha: 4, Coreia do Sul: 4, Emirados Árabes Unidos: 4, Canadá: 3, Vietnã: 2, Camboja: 1, Finlândia: 1, Nepal: 1, Sri Lanka: 1.
Evitar a pandemia
Como não há vacina ou tratamento para o 2019-nCoV, o equipamento de proteção individual é uma maneira importante de combater a transmissão do vírus e evitar uma pandemia.
Máscaras faciais descartáveis ​​não podem bloquear todos os patógenos e não os matam. Uma máscara usada e descartada pode até se tornar um vetor de doença à medida que os patógenos se multiplicam em suas fibras.
É por isso que máscaras laváveis ​​e reutilizáveis ​​com propriedades ‘antipatogênicas’ podem fornecer uma ferramenta de prevenção potente contra o 2019-nCoV e outros vírus coronas que evoluíram para doenças mais graves, como SARS e MERS.
Em busca de parceiros
A tecnologia ultrassônica de acabamento de tecidos da Sonovia, inventada por dois professores de química da Universidade Bar-Ilan, injeta mecanicamente nanopartículas antivirais, antimicrobianas de zinco e óxido de cobre em tecidos para máscaras faciais e outros produtos de proteção.
A Sonovia recebeu recentemente uma bolsa da Comissão Europeia Horizonte 2020 e a tecnologia ganhou vários prêmios na China.
Testes mostraram que os tecidos tratados pela Sonovia trabalham contra seis tipos de bactérias, incluindo E. coli e Staph. A eficácia dura até 100 lavagens a 75 ° C ou 65 lavagens a 92 ° C.
O tecido impregnado de poliéster e algodão tem se mostrado eficaz contra alguns tipos de influenza. Não foi testado quanto à eficácia contra o vírus corona atual.
Se houver um laboratório que possa fazer esse teste, o processo poderá levar oito semanas”, diz Goldhammer-Steinberg.
As máscaras ainda não são comercializadas. Mas temos um protótipo de máquina que estamos dispostos a colocar em operação, usando metragem tratada de nosso produto de P&D – se tivermos um parceiro e interesse”, enfatiza Goldhammer-Steinberg.
O interesse não é um problema. A Sonovia recebeu visitantes da China no início desta semana e está recebendo “ligações sem parar” após a exposição na mídia.

Goldhammer-Steinberg disse que há tecido tratado suficiente disponível para produzir de 5.000 a 10.000 máscaras faciais reutilizáveis. Estas não seriam para venda, e sim para os parceiros distribuírem como uma medida de emergência.
No momento, há uma escassez de suprimentos [nos países afetados] para que possamos ajudar a diminuir esse estresse. Mesmo que exista uma chance remota de ajudar, vale a pena tentar”, ela diz à ISRAEL21c.
Estamos buscando ativamente investidores e parceiros colaborativos de todo o mundo, porque acreditamos que há um alto potencial para nossos produtos salvarem vidas”, completou Goldhammer-Steinberg.
Para mais informações e oportunidades de colaboração, entre em contato com o Dr. Jason Migdal na Sonovia: marketing@sonoviatech.com.
Assista ao vídeo da tecnologia da Sonovia Tech com legendas em Português.
Argaman
A outra empresa israelense é a Argaman, com sede em Jerusalém. Ela está se aproximando da comercialização de uma máscara antiviral reutilizável, lavável e respirável chamada Bio-Block.
Segundo o fundador e CEO, Jeff Gabbay, engenheiro têxtil com experiência em patologia e doenças infecciosas, a Bio-Block é uma máscara em camadas.
É feito de um algodão proprietário incorporado com partículas aceleradas de óxido de cobre e um tecido de nanofibra que bloqueia patógenos.
Os poros da almofada de nanofibra são tão pequenos que as bactérias não conseguem passar por ela – nem uma gota que contém um vírus vivo – e nossas fibras 100% de Algodão ‘CottonX’, aprovadas pela EPA, destroem os patógenos que entram em contato com ela”, disse Gabbay.
A máscara não apenas bloqueia o vírus, mas mata os vírus que vão para o usuário e se afastam do usuário, caso o usuário esteja infectado”, explica ele.
Um laboratório independente descobriu que o ‘CottonX’ permanece eficaz contra as bactérias Staph e E. coli em 50 lavagens industriais ou 100 lavagens domésticas.
Um teste hospitalar patrocinado pelos Centros de Controle de Doenças dos EUA constatou que roupas de cama e batas ‘CottonX’ na UTI reduziram patógenos resistentes a vários medicamentos em 50%.
Este estudo será publicado em breve”, disse Gabbay.
Como o têxtil ‘Sonovia’, o ‘CottonX’ não foi testado quanto à eficácia contra o vírus corona 2019-nCoV.
As primeiras 20.000 máscaras da Bio-Block estão em produção nas instalações da Argaman em Jerusalém e serão vendidas por cerca de US $ 50. Elas estarão disponíveis em cerca de dois meses.
Enquanto isso, perguntas podem ser enviadas para info@argamantech.com
Fonte: Conexão Política

Postar um comentário

0 Comentários