CORONAVÍRUS: A MÍDIA MUITAS VEZES ALIMENTA UM MEDO DESNECESSÁRIO

Leia a tradução do artigo do Nieman
Por Karin Wahl-Jorgensen
Novas doenças contagiosas são assustadoras. Assustam porque são desconhecidas e imprevisíveis. O surto em curso do novo coronavírus –ou COVID-19– recebeu ampla atenção da mídia. Essa cobertura pode nos dizer muito sobre como a incerteza diante de uma epidemia pode facilmente produzir medo.
Há cerca de uma década, eu venho estudando o papel das emoções no jornalismo, inclusive na cobertura de desastres e crises. A cobertura da mídia é vital para nossas conversas e desempenha 1 papel fundamental na regulação de nossas emoções, incluindo o medo. Embora o medo seja uma emoção que frequentemente experimentamos como indivíduos, também pode ser uma emoção compartilhada e social –que circula por grupos e comunidades e molda nossas reações aos eventos em andamento. Como outras emoções, o medo é contagioso e pode se espalhar rapidamente.
A cobertura da mídia define a agenda do debate público. Embora as notícias não nos digam necessariamente o que pensar, elas nos dizem o que pensar. Ao fazer isso, as news sinalizam quais questões merecem nossa atenção. Pesquisas mostram consistentemente que, quando os assuntos recebem ampla cobertura da mídia e são proeminentes na agenda de notícias, eles também passam a ser vistos como mais importantes pelo público.
O surto atual tem sido muito mais proeminente na cobertura da mídia do que epidemias recentes, incluindo o Ebola. Um estudo da revista Time descobriu que, no 1º mês da epidemia de coronavírus, havia 23 vezes mais artigos na mídia impressas em inglês em comparação ao mesmo período da epidemia de Ebola de 2018.
Minha pesquisa autoral sugere que o medo desempenhou 1 papel particularmente vital na cobertura do surto de coronavírus. De 12 de janeiro –quando começaram a circular os relatórios sobre a nova doença misteriosa– a 13 de fevereiro, acompanhei as reportagens nos principais jornais de língua inglesa do mundo, usando o banco de dados LexisNexis do Reino Unido. Isso inclui quase 100 jornais de alta circulação de todo o mundo, que publicaram coletivamente 9.387 histórias sobre o surto. Desses, 1.066 artigos mencionam “medo” ou palavras relacionadas, incluindo “receio”.
Essas reportagens costumavam usar outra linguagem amedrontadora também. Por exemplo, 50 artigos usavam a frase “vírus assassino”. Um artigo do jornal Telegraph estava carregado desse tipo dessa linguagem indutora de medo, ao descrever dessa maneira cenas em Wuhan compartilhadas nas mídias sociais:
Pacientes que usam máscaras desmaiam na rua. Centenas de cidadãos assustados formam filas apertadas, com risco de se infectarem, em corredores estreitos de hospitais, enquanto esperam para serem tratados pelos médicos em ameaçadores trajes brancos. Um médico ansioso grita de angústia.
Tabloides como The Sun e o Daily Mail têm maior probabilidade de usar uma linguagem indutora de medo. Por exemplo, o blog ao vivo do coronavírus no jornal The Sun rotineiramente se refere ao vírus como uma “doença mortal”.
Muitas reportagens ofereceram ângulos locais relatando medo em áreas afetadas pelo surto. No Reino Unido, isso levou a 1 foco particular em Brighton, onde vários casos foram relatados. Um texto do jornal The Times afirmou.
Conversas sobre pequenos frascos de desinfetante antibacteriano para as mãos normalmente estão longe de 1 ponto principal em bate-papo na hora do almoço. No entanto, essa é a ansiedade sobre o coronavírus que os habitantes de The Granadier ontem ao prontamente mudarem suas rotinas de lavagem das mãos.”
Outros levantamentos encontraram reportagens discutindo o impacto nas empresas chinesas. O Manchester Evening News, por exemplo, informou que “o medo do coronavírus está afetando bastante as empresas, com alguns relatando uma queda de 50% nas vendas desde o surto. E os chineses relatam sofrer mais abusos raciais.”
Várias reportagens, por outro lado, procuraram amenizar os medos e fornecer garantias. Por exemplo, o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsein Loong, foi amplamente citado em advertência contra o pânico:
O medo pode nos deixar em pânico, ou fazer coisas que pioram a situação, como espalhar rumores on-line, acumular máscaras faciais e alimentos ou culpar grupos específicos pelo surto.
Pesquisas sobre a cobertura de surtos anteriores de doenças mostram uma ênfase semelhante no medo. No caso da epidemia de SARS em 2003, 1 estudo do historiador Patrick Wallis e do linguista Brigitte Nerlich mostrou que “a principal metáfora conceitual usada para SARS era assassina”. Na mesma linha, os estudiosos da mídia Peter Vasterman e Nel Ruigrok examinaram a cobertura da epidemia de H1N1 na Holanda e descobriram que ela era marcada pelo tom “alarmante” de sua cobertura. Como o coronavírus, esses surtos históricos foram caracterizados por incerteza, medo e pânico.
Para colocar essas observações em perspectiva, é instrutivo compará-las com a cobertura da gripe sazonal, que segundo estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) mata de 290.000 a 650.000 pessoas por ano. Desde 12 de janeiro de 2020, os jornais mundiais publicaram apenas 488 artigos sobre a gripe sazonal, sem mencionar também o coronavírus. Em nítido contraste com a cobertura desse novo coronavírus, menos de uma em cada 10 histórias sobre gripe (37 de 488) mencionou “medo” ou palavras e frases semelhantes.
A importância do medo como tema nos relatórios do coronavírus sugere que grande parte da cobertura do surto é mais 1 reflexo do medo público do que informativo em relação ao que realmente está acontecendo em termos de propagação do vírus. Franklin Roosevelt provavelmente exagerou quando disse que “a única coisa que temos a temer é o próprio medo”. Mas em 1 momento repleto de informações erradas, notícias falsas e teorias da conspiração, vale a pena ficar alerta aos perigos dessa emoção contagiosa diante da incerteza.
Karin Wahl-Jorgensen é professora de jornalismo na Universidade de Cardiff. Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons.
O texto foi traduzido por Ighor Nóbrega (link). Leia o texto original em inglês (link).
Fonte: Poder 360

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.