SACRALIDADE DA FAMÍLIA, ARMAS E PROPRIEDADE: É ASQUEROSO O FORTE APOIO QUE A “IMPRENSA” DÁ AOS CRIMINOSOS

Por Marco Frenette
Friedrich Engels, o sociopata que assinou junto com Karl Marx o "Manifesto Comunista", também escreveu "A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado". 
Esse livro, escrito em 1884 a partir de anotações de Marx, é um lixo criminal que tenta, pura e simplesmente, convencer o leitor de que é lícito, justo e moral destruir a família e o direito à propriedade privada. 
Agora, 136 anos depois, temos uma horda de criminosos, os quais, apesar de nunca terem deitado os olhos em um livro do marxista Engels, exercem o "direito" de invadir propriedades e agredir as famílias que tiveram mais méritos e sorte na vida. 
Nesse ocorrido com o casal americano, os bandidos arrombaram o portão de entrada e invadiram a propriedade privada, conscientes do crime que estavam cometendo; e só não invadiram também a casa e barbarizaram porque o casal se posicionou armado diante da residência. 
O casal foi digno e decente, se protegendo dos criminosos sem disparar contra eles. Porém, estava no seu direito constitucional de abater esses vermes como se abatem cães raivosos. Vou repetir: eles destruíram o portão da casa e invadiram com intenções criminosas. 
O título do livro de Engels não é acidental ou editorial, mas descritivo de um projeto criminoso: destruir a propriedade privada para, assim, poder atacar a família, e tudo com a aprovação do estado. E o Estado tudo dominará para restaurar "a liberdade, igualdade e fraternidade das antigas eras", como diz Engels ao final da obra, citando outro delinquente, o antropólogo americano H. L. Morgan. 
É asqueroso o forte apoio que a imprensa dá aos criminosos, chamando-os de "manifestantes", e tentando transformar um casal digno e corajoso que defende sua propriedade em dois delinquentes armados. 
Esses jornalistas, que empesteiam as redações e a sociedade brasileira, valem tão pouco - ou até menos - do que os animais que defendem.

Fonte: JCO

Postar um comentário

0 Comentários