FORO DE MADRID: LÍDERES OCIDENTAIS FIRMAM COMPROMISSO PARA DETER AVANÇO DO COMUNISMO NO MUNDO

Por Ricardo Roveran 
O dirigente do partido espanhol Vox, Santiago Abascal, publicou nesta segunda-feira (26/10), a partir da Fundação Disenso, a Carta de Madri, uma declaração de intenções de lideranças ocidentais para travar “o avanço do comunismo” no mundo.
A fundação Disenso é uma espécie de laboratório de ideias do Vox.
Abascal, presidente da entidade, considera que o avanço do comunismo atualmente “representa uma séria ameaça à prosperidade e ao desenvolvimento das nossas nações. Bem como pelas liberdades e direitos dos nossos compatriotas”.
Santiago pretende que a Fundação se torne promotora de iniciativas que apresentem luta cultural internacional contra a esquerda.
A Carta contou com a assinatura de 17 autoridades ocidentais, dentre elas:
-Venezuelana, ex prefeita de Caracas e resistência a Maduro, Maria Corina Machado;
-Deputado do Vox italiano, Giorgia Meloni;
-Presidente do Americana For Tax Reform, Grover Norquist;
-Ator mexicano anti-aborto e conselheiro hispânico de Trump, Eduardo Verástegui;
-Deputado Federal mais votado da história do Brasil e presidente da CREDN (Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional), Eduardo Bolsonaro.
A iniciativa pretende tornar-se o primeiro projeto político internacional da Fundação, bem como o germe de um movimento mais amplo, representado em sua visão a oposição ao Foro de São Paulo, organização fundada por Fidel Castro e Lula da Silva que ainda persiste, e o chamado Grupo Puebla (versão modernizada do Foro), do qual participam o ex-presidente do governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero, o atual ministro da Igualdade e líder do Podemos, Irene Montero, e dirigentes latino-americanos como Dilma Rousseff, Evo Morales, Rafael Correa e Martín Torrijos.
Abascal também lançou há pouco tempo o jornal ‘La Gaceta de la Iberosfera’, um projeto que pretende difundir pela América Latina.
Fonte: Terça Livre

Postar um comentário

0 Comentários