HEINEKEN PODE FECHAR FÁBRICA NO BRASIL

Por Marcos da Costa
Direitos de exploração de água que abastece sua maior planta no Brasil são revertidos em favor de empresário baiano.
A direção da Heineken no Brasil está com um problemão para resolver. O direito de exploração de água que abastece sua maior planta no país, em Alagoínhas, na Bahia, foi revertido em favor do empresário Maurício Britto Marcellino da Silva e pode culminar na inoperância da unidade. Depois de 26 anos, o empresário baiano conseguiu na Justiça uma vitória sobre a Agência Nacional de Mineração que refaz todo o processo de licitação desses direitos de exploração. 
Agora o imbróglio chegou até a direção da companhia na Matriz, na Holanda. Nas últimas semanas, uma série de reuniões entre os administradores daqui — a maioria oriundo da antiga Kaiser — e de lá foi realizada para tentar encontrar uma solução. Uma delas, importar água de outro lugar, é inviável. O produto pioraria e ficaria extremamente cara a operação. A segunda é tentar na Justiça manter os direitos, porém, a decisão homologada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) deixa claro que a Heineken não faz parte do processo, exclusivo ao empresário e à ANM. E como transitou em julgado, não cabe mais recurso à agência. A terceira saída é comprar os direitos de Marcellino da Silva.
Já tem até valor: 900 milhões de reais, segundo um estudo realizado pela consultoria Duff & Phelps. Como comparação, a Heineken pagou pela Brasil Kirin — antiga dona da fábrica — cerca de 2,1 bilhões de reais, em 2017. 
A Heineken enviou uma nota. O Radar Econômico reitera as informações. Leia, abaixo, na íntegra. 
Sobre a matéria veiculada em 02 de outubro de 2020, a respeito de sua Cervejaria em Alagoinhas (BA), o Grupo HEINEKEN no Brasil nega que tenham acontecido reuniões a respeito desse tema com a matriz da Companhia. Além disso, a Companhia reforça que não existe a possibilidade de fechamento da Cervejaria, sob nenhuma hipótese. Reiteramos que não há decisão judicial ou administrativa que impacte essa condição e que seguiremos trabalhando na defesa de nossos direitos, seja na esfera administrativa ou judicial, tomando todas as medidas legais que julgarmos apropriadas.
Fonte: Veja
Leia também:

Postar um comentário

0 Comentários