A IGREJA CATÓLICA É INFILTRADA POR GLOBALISTAS: ARCEBISPO CARLO MARIA VIGANO

“Há um grupo de conspiradores que trabalharam e ainda trabalham no coração da Igreja” pelos interesses da elite globalista, disse o arcebispo Carlo Maria Vigano ao “War Room”. Ele chamou esse grupo de igreja profunda e explicou que seu objetivo é demolir o papado e assegurar o poder.
“A maioria deles é identificável, mas os mais perigosos são aqueles que não se expõem, aqueles que o jornal nunca menciona”, explicou Vigano em entrevista ( pdf ) a Steve Bannon, apresentador do War Room.
A igreja profunda também cooperou com o estado profundo americano e seus contatos foram facilitados na década de 1990 por um ex-cardeal americano que desempenhava missões políticas na China em nome da administração dos EUA, disse Vigano, ex- embaixador do Vaticano nos Estados Unidos.
Vigano acredita que o acordo sobre a nomeação de bispos na China entre o Vaticano e o regime chinês que, em suas palavras, “privou os católicos chineses da indefectível defesa que o papado sempre foi para eles”, é um ato de cumplicidade dos igreja profunda com o regime comunista chinês aliado ao estado profundo global.
“Até o papado de Bento XVI, o papado não havia feito nenhum acordo com a ditadura de Pequim, e o pontífice romano mantinha o direito exclusivo de nomear bispos e governar dioceses”, continuou o arcebispo.
O Vaticano e a China firmaram um acordo não publicado em 2018 que deu ao regime chinês autoridade para nomear bispos e concedeu ao Papa o direito de vetar suas nomeações, de acordo com um relatório de 2019 ( pdf ) da Comissão Executiva do Congresso dos EUA sobre a China. O acordo foi prorrogado em outubro de 2020 por mais dois anos.
“A ditadura do Partido Comunista Chinês [PCC] está aliada ao estado profundo global, por um lado, para que juntos possam alcançar os objetivos que têm em comum”. Por outro lado, os planos do estado profundo para a Grande Restauração são uma oportunidade para o PCCh aumentar o poder econômico da China no mundo, começando com a invasão dos mercados nacionais, disse Vigano.
“A China está perseguindo um plano doméstico para restaurar a tirania maoísta, que requer o cancelamento das religiões (principalmente a religião católica), substituindo-as por uma religião de estado que definitivamente tem muitos elementos em comum com a religião universal desejada pela ideologia globalista, Vigano continuou.
“Estamos diante de uma traição infame à missão da Igreja de Cristo, realizada por seus mais altos líderes em conflito aberto com os membros da hierarquia clandestina católica chinesa que permaneceram fiéis a Nosso Senhor e à Sua Igreja”, Vigano disse.
Vigano elogiou o cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, que se manifestou contra o acordo Vaticano-China, chamando o cardeal de “um eminente confessor da fé”.
Antes da prorrogação do acordo, Zen viajou ao Vaticano com planos de se encontrar com o Papa para atualizá-lo sobre a situação em Hong Kong e na Igreja Católica na China. No entanto, o Zen não teve uma audiência com o Papa Francisco.
“A ideia de fazer acordos com Pequim é insana”, disse Zen ao Daily Compass sobre o acordo Vaticano-China. “É como tentar fazer um pacto com o diabo.
Fonte: The Epoc Times

Postar um comentário

0 Comentários