GENERAL MOURÃO CRAVA BOLSONARO NO 2º TURNO E “CONQUISTA INVESTIDORES NO BTG”


Por Thiago Salomão - Info Money
Vice de Jair Bolsonaro foi elogiado por mostrar-se bem à vontade ao falar sobre temas econômicos para uma plateia de mais de 100 investidores em evento promovido pelo banco nesta quinta-feira (23).
Falando para uma plateia de mais de 100 investidores na tarde desta quinta-feira (23) na sede do BTG Pactual, o general Hamilton Mourão (PRTB), candidato a vice-presidência de Jair Bolsonaro (PSL), conseguiu conquistar boa parte dos presentes ao demonstrar familiaridade sobre temas econômicos e falar de forma bem calma, fugindo de polêmicas como as que marcaram seu primeiro discurso após ser confirmado como vice.
Ele também disse o que acredita que fez Bolsonaro desistir de participar dos próximos debates presidenciáveis: "o debate está muito rasteiro".
Ele [Bolsonaro] é hoje o cara a ser derrubado, pois ele é o líder nas pesquisas. Tenho certeza que vamos pro 2º turno, isso se não ganharmos no 1º turno. Posso estar muito otimista, mas eu tenho essa expectativa. Agora, que o debate está muito rasteiro, ele está: estamos aqui falando de economia e temas importantes, mas lá na TV só querem saber se o Bolsonaro é homofóbico, machista, essas coisas”, disse Mourão a uma plateia predominantemente formada por investidores do mercado financeiro - o evento não foi aberto para imprensa.
Mourão reforça que essa é apenas sua visão sobre o assunto, já que não conversou com Bolsonaro a respeito. Ele também apontou como justificativa da desistência a falta de infraestrutura para ficar indo e vindo: “nossa campanha é muito pequena”.

Ao InfoMoney, participantes do evento disseram que Mourão falou bastante (e bem à vontade) sobre economia durante os quase 90 minutos de apresentação. “Estamos caminhando para o quinto ano de déficit primário. Até 2022 pagamos nossas contas, depois não dá mais. Não tem jeito, o Próximo governo vai ter que encarar isso de frente, seja quem for. Pode ser até mesmo aquele candidato do SPC que parece não ver isso”, disse Mourão, referindo-se ao Ciro Gomes (PDT).
Roberto Campos, Petrobras e previdência Trocando a tradicional farda de exército por um elegante terno escuro com gravata amarela, o general preencheu sua apresentação com muitos slides sobre economia, relembrou os tempos em que estudava economia no quartel - “estudei Curva de Laffer, sei como funciona isso aí” - e até citou Roberto Campos, expoente do liberalismo brasileiro, ao comentar os erros dos governos passados: “a diferença entre inteligência e estupidez é que inteligência é limitada”.


Questionado sobre a privatização da Petrobras, preferiu ser mais "político" em sua resposta: disse que tem que ser visto com carinho o que deve ser feito pois a empresa "lutou demais pra achar petróleo no pré-sal e agora entregar tudo"; contudo, se chegarem à conclusão de que o melhor é privatizá-la, Bolsonaro vai fazer isso e prontO.
Mourão também foi questionado pelo jornalista Augusto Nunes, responsável pela moderação do painel, sobre a situação da previdência dos militares, assunto que o jornalista disse ter sentido falta na apresentação do general. Ele justificou dizendo que “talvez pode ter esquecido de escrever”, mas foi bem enfático ao afirmar que “não se pode fugir da reforma previdenciária” e que seria bom ela ser aprovada ainda este ano.
No geral, Mourão falou tudo aquilo que o mercado gostaria de ouvir, mas de uma forma mais clara e serena que seu parceiro de chapa Bolsonaro. Em um dos slides da apresentação, Mourão colocou 6 tópicos que ele chamou de “fundamentos econômicos”: Disciplina Fiscal e priorização dos gastos; Reforma Tributária e liberalização financeira; Regime Cambial e liberalização comercial; Investimentos estrangeiros; Privatização; Desregulação; e Propriedade intelectual.
Comentou ainda sobre a importância da redução de ministérios de 30 para “entre 15 e 20” e de colocar meritocracia ao invés de “escolhas políticas” nos cargos públicos. À vontade diante da plateia, respondeu para Augusto Nunes quando foi elogiado pela sua clareza na apresentação que "não entende de economia, só decorou" o que ia dizer.
Segurança e "Bolsonaro Zero Um" O tema segurança também ocupou boa parte dos 90 minutos de apresentação. Falou sobre a importância de valorizar a polícia, que na sua visão está na pior situação possível: “se ela reprimir o narcotráfico, será acusada pelos Direitos Humanos; se ela é frouxa, daí é a sociedade que reclama”. Ele finalizou reforçando a importância de ganhar a confiança da população se realmente um novo governo quer criar mudanças. “E como ganharemos essa confiança? Fazendo austeridade e tendo sinceridade, precisamos ser sinceros com a população”.
Perto do final do evento, Augusto Nunes levantou a informação que 11 vice-presidentes já assumiram a Presidência no Brasil para "brincar" com o fato de Mourão ser general e vice de um "presidente capitão" e se ele tinha consciência disso tudo. "Bolsonaro é o Zero Um e o que eu serei é o guardião do Zero Um. Serei espada e escudo dele", respondeu o general.

Nenhum comentário:

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.