FEMINISTAS SE CALAM SOBRE ESCÂNDALO CARTA CAPITAL


Até o momento, feministas não se pronunciaram sobre coluna da Carta Capital que zombou de abusos sexuais cometidos contra mulheres
Por Carlos Eduardo
Jamais se iluda com o ar de justiça social e amor ao próximo de um esquerdista. Ouça bem: Jamais! Não há humanidade alguma por trás da fala de alguém que se imagina superior aos outros. Se você for abusada sexualmente, perder a vida, se for espancada por marginais que resolveram te parar pra levar seu celular, mas der o azar de ser de “direita”, não terá o apoio, a simpatia, a misericórdia de um único esquerdista.
Foi assim ao longo da história: já que não se consegue corrigir certas condutas, eliminamos os indivíduos. A complexidade da vida pouco importa para quem vestiu a causa. Mulheres, gays, negros e qualquer minoria que tenha uma íris acinzentada ou cores vangoguianas na pele, tem necessariamente que ser de esquerda. Se você optar por outra visão de mundo, como num passe de mágica, vira branco-hétero-cisplatino-opressor-trumpestista-bolsolavista-desprezível.
Na semana passada tivemos mais um exemplo dessa benevolência de classe.
Um colunista da revista de extrema-esquerda Carta Capital esbanjou respeito e amor pelas mulheres. É aquele doce momento em que o sabichão de esquerda, que pouco uso faz do encadeamento de ideias, deixa escapar a sua face verdadeira: o ódio ao diferente. Sob o efeito de psicotrópicos ou não, o fato é que o colunista jeca saiu atacando mulheres porque estão no espectro político oposto ao seu.

Sob o covarde silêncio das feministas, o colunista da revista de extrema-esquerda xinga mulheres por pensarem diferente dele. Mansplaining que chama?
Pelo que se lê, a imaginação do sujeito foi construída com muito passa fora de garotas enquanto, imaginando-se muito sedutor, descabelava a birobinha modesta com revistinhas do Carlos Zéfiro e encartes de lingeries. Sujeitos normais costumam passar por isso numa boa, mas tipinhos esquisitos, como parece ser o caso do colunista, podem pegar uma forte repulsa ao sexo oposto. O rancor contra as mulheres passa a dominar sua estrutura emocional. Um rancor compartilhado com abelhas operárias e escorpiões.
O pobre colunista, sem uma personalidade robusca, aderiu à visão desumana da esquerda para compensar suas frustrações e se vingar, talvez. Com isso, despreza a dor e o sofrimento de uma menina que, abusada sexualmente e pensando em se matar, disse que viu Jesus num pé de goiabeira. Ele disfarça dizendo que Damares deveria entregar-se ao “guapo mancebo” (nunca menospreze a breguice de um caipira que deseja requintar seu vocabulário), mas, no fundo, ele ficaria satisfeito se a atual ministra tivesse se matado mesmo.
A desumanidade dos ungidos esquerdistas é tanta que, no caso contado pela ministra, ninguém se importou com a tragédia do abuso e sim com o fato imperdoável de ter visto Jesus numa goiabeira no quintal de sua casa.
Até o momento, nenhuma feminista repudiou o ataque covarde do colunista da Carta Capital. E nem veremos nenhuma manifestação ou uma simples reprimenda. Ainda é cedo pra afirmar, mas parece que Damares e as outras mulheres citadas não são dignas da fraternidade de entidades e pessoas que dizem defender a “condição da mulher” na sociedade.
Quanto ao colunista, deve ser terrível, já no ocaso da vida, perceber que seus esforços literários, suas grandes virtudes técnicas serviram apenas como o caldinho do miojo de livros que já são um sucesso para traças em sebos e antiquários. Quis ser um machado de Assis, acabou Nirlando o Beirão.
Feminismo da Carta Capital zomba de abusos sexuais cometidos contra mulheres quando elas não são de esquerda, conclui-se.
Fonte: Senso In Comum
Leia também: TRUMP VAI CLASSIFICAR CARTÉIS DO MÉXICO COM GRUPO TERRORISTAS

Um comentário:

  1. Esse sujeito merece um processo afinal ofender uma ministra de estado é crime, além de desprezar e banalizar a violência contra mulheres, eu mim voluntariava para dar uma surra nele. De graça

    ResponderExcluir

Obrigado pela sugestão.

BOMBEIROS DF. Tecnologia do Blogger.