BRASIL E OUTROS PAÍSES VÃO PEDIR REFORMA DA OMS

Por Brehnno Galgane
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, informou hoje (9/6) que um grupo de países, incluindo Brasil, Austrália e membros da União Europeia, vai propor uma investigação sobre as decisões da Organização Mundial da Saúde (OMS) e um processo de reforma da entidade. Araújo disse que há, por parte do órgão, “falta de independência, de transparência e de coerência nos posicionamentos e orientações sobre aspectos essenciais” no enfrentamento à pandemia de covid-19. 
Ele citou, por exemplo, informações sobre a origem do novo coronavírus, o compartilhamento de amostras, o contágio por humanos, modos de prevenção, quarentena, uso da hidroxicloroquina, indumentária de proteção e transmissibilidade por assintomáticos. “Em todos esses aspectos, a OMS foi e voltou [na recomendação], às vezes mais de uma vez, e isso nos causa preocupação”, disse Araújo, durante reunião ministerial coordenada pelo presidente Jair Bolsonaro.
Para o ministro, o problema é sistêmico, e não acidental, e deve ser investigado mesmo durante a pandemia. “Cada dia, essas decisões e esse vai e vem prejudicam os esforços de todos os países”, disse
Na semana passada, o próprio presidente Bolsonaro fez críticas à organização e disse que o governo brasileiro poderia até deixar a entidade que, de acordo com ele, atua “com viés ideológico”. No fim de maio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou a saída do país da OMS, congelando repasses que o governo norte-americano faria ao órgão das Nações Unidas.
Bolsonaro fez referência à controvérsia causada por pesquisas conduzidas pela OMS sobre a hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus. A organização acabou retomando os estudos com o medicamento, após aplicar uma suspensão dos testes por 10 dias. Ontem (8/6), a OMS também afirmou que a transmissão da covid-19 por pessoas sem sintomas da doença, como febre ou tosse, parece ser “rara”.
O anúncio foi destacado hoje (9/6) por Bolsonaro para defender o fim do isolamento social e a retomada das atividades. “Não é um dado comprovado, mas é um dado importante”, disse o preidente. “Com toda certeza, isso pode sinalizar uma abertura mais rápida do comércio e a suspensão das medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos”, destacou o presidente durante a 34ª Reunião do Conselho de Governo, realizada nesta terça-feira no Palácio da Alvorada.
A epidemiologista e principal responsável técnica da resposta à covid-19 da OMS, Maria van Kerkhove, frisou que há diferença entre assintomáticos e pré-sintomáticos, que são as pessoas que vão desenvolver algum sintoma da doença. Ao falar do tema, a epidemiologista ponderou a capacidade de testagem e rastreio de pacientes pelos gestores de saúde e argumentou que a contenção da transmissão da doença pode ser mais rápida com a localização e o isolamento dos casos sintomáticos.
Informações: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários