SE EXISTE UMA MÍNIMA POSSIBILIDADE DE CURA, É INADMISSÍVEL QUE SE NEGUE O TRATAMENTO

Por Felipe Fiamenghi
Se existe uma mínima possibilidade de cura, é INADMISSÍVEL que se negue o tratamento
De acordo com o dicionário, a palavra significa:
1 – Conhecimento atento e aprofundado de algo.
2 – Corpo de conhecimentos sistematizados adquiridos via observação, identificação, pesquisa e explicação de determinadas categorias de fenômenos e fatos, e formulados metódica e racionalmente.
Nenhuma das duas definições, portanto, pode ser aplicada à pandemia atual, já que não houve tempo suficiente para que nenhum conhecimento profundo fosse adquirido de forma metódica e racional.
Com as máscaras, por exemplo. A pesquisa publicada no portal portal VoxEU, feita por pesquisadores alemães, afirma que o uso das mesmas reduz em 40% a propagação do Covid-19.
Ao mesmo tempo, estudo publicado no British Medical Journal diz que a penetração nas máscaras de tecido é de 97% e que a umidade e o uso constante podem aumentar o risco de infecção.
A história se repete com a Hidroxicloroquina. A OMS diz que não há evidências que comprovem a eficácia do medicamento no combate ao Coronavírus.
Mas como diria Carl Sagan: “A ausência de evidência não significa evidência de ausência”.
O estudo realizado pelo Henry Ford Health System, que analisou 2.541 pacientes, entre 10 de março e 2 de maio, constatou uma queda significativa nos óbitos entre as pessoas tratadas com o fármaco.
Cientistas erram! Vale lembrar que um biólogo, doutor em virologia, disse que teríamos 1 milhão de mortos, até agosto, se não fizéssemos um “lock down” radical.
Mesmo o isolamento NUNCA tendo atingido mais de 50% da população, faltando doze dias para a data fatídica, os óbitos não chegaram nem a um décimo da previsão apocalíptica.
Com dados absolutamente indecisivos, no momento, a “ciência” está sendo muito mais uma questão de “fé” e narrativas.
Se nos obrigam a usar máscaras, mesmo com estudos dizendo que as mesmas podem AUMENTAR o risco de infecção, porque querem PROIBIR um remédio, mesmo com evidências de que pode salvar vidas?
Se, no futuro, após todo o tempo necessário para observação, identificação, pesquisa e formulação metódica e racional dos fatos e evidências, realmente ficar comprovada a eficácia do medicamento, irão simplesmente pedir desculpas para as famílias das vítimas?
Não interessa o quão pequena seja a chance. Se existe uma mínima possibilidade de cura, é INADMISSÍVEL que o acesso ao tratamento seja negado, porque um determinado grupo resolveu ideologizar a doença e politizar o remédio.
Isso não é científico. É criminoso.
“A ciência é feita de fatos, assim como uma casa é feita de tijolos, mas um amontoado de fatos não é ciência, assim como um amontoado de tijolos não é uma casa.” (POINCARÉ, Henri)
Fonte: Diário do Brasil
Leia também:

Postar um comentário

3 Comentários

  1. A vergonha o os políticos brasileiros aproveitar de uma pandemia para saquear os cofres públicos e deixarem a sua população morrer sem ao menos tentar salca-los com o que tinham no momento para a tentativa de cura, tiraram as autonomias do médicos que tanto estudaram para salvarem vidas. Pessoas despreparadas tomaram frente, sem nenhum respeito aos humanos, brigaram, roubaram, destruíram sonhos e mataram pessoas. Devem serem responsabilizados por tudo isso.

    ResponderExcluir
  2. Vdd onde se viu negar medicamento que todos da população sabia que não fazia mal e sim ajuda a não leva lo ao uti e ao entubamento. Foi criminoso sim e assino embaixo.

    ResponderExcluir
  3. Se não existem alternativas a Hidroxicloroquina é uma experiência que deu certo e salva vidas.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sugestão.