CORÉIA DO SUL INVESTIGA MORTES APÓS VACINA CONTRA GRIPE

Por Leonardo Trielli 
O Primeiro-Ministro Chung Sye-kyun mandou investigar 59 mortes relatadas após vacina contra influenza, mesmo após autoridades negarem ligações entre óbitos e vacinação.
A Coréia do Sul, um dos raros países a enfrentar com sucesso o surto de COVID-19, agora enfrenta uma inesperada desconfiança do público sobre a segurança das vacinas contra a gripe sazonal.
A pedido do primeiro-ministro Chung Sye-kyun (foto), autoridades sul-coreanas ainda investigam 13 das 59 mortes relatadas de pessoas que tomaram a vacina contra a gripe sazonal este ano. Os óbitos fizeram aumentar a desconfiança da população sobre a campanha de vacinação promovida pelo governo.
Isto porque, em setembro, a campanha teve de ser suspensa por três semanas, após ter-se descoberto que pelo menos 5 milhões de doses da vacina, que precisa se manter sob refrigeração, foram transportadas em temperatura ambiente.
Mesmo com o aumento da desconfiança do público e após a Associação Médica Coreana solicitar uma nova suspensão na campanha, o governo se recusa a tomar a medida novamente, por temer o aumento de casos da gripe sazonal ao mesmo tempo em que o mundo vive a pandemia de peste chinesa.
O caso que mais assustou os coreanos foi o de um adolescente de 17 anos, que morreu dois dias após tomar a vacina. O resultado da autópsia, concluída esta semana, apontou uma dose letal de nitratos no estômago do jovem, descartando a vacinação como causa da morte.Em uma coletiva realizada na segunda-feira, 26, o comissário da Agência de Prevenção e Controle de Doenças da Coréia, Jung Eun-kyeong, disse que “mais de 1.500 idosos morreram uma semana após serem vacinados no ano passado, mas suas mortes não estavam relacionadas às vacinações.” 
Agora, o esforço do governo sul-coreano é convencer os cidadãos a confiarem na vacina.
O professor de medicina laboratorial Roh Kyung-ho, disse ao portal The Diplomat na terça-feira, 27, que as pessoas foram enganadas pelos relatórios sobre o número de mortes neste ano.
“De acordo com dados divulgados pela Statistics Korea, 295.110 pessoas morreram no ano passado, 84% das quais tinham mais de 60 anos. Se dividirmos isso em 365 dias, cerca de 675 pessoas morreram em um dia. Dado que eles estavam em grupos elegíveis para vacinação gratuita, pelo menos 50% deles têm alta probabilidade de serem vacinados ”, disse Roh. “Se houve um problema com as vacinas, deveria ter ocorrido uma grande mudança na taxa de mortalidade, mas não foi o caso.”
Fonte: Senso Incomum

Postar um comentário

0 Comentários