GENERAL AFIRMA: “EXÉRCITO BRASILEIRO É UM DOS MENORES DO MUNDO”

Por Bombeiros DF
O General Edson Leal Pujor falou recentemente das condições do exército brasileiro e de um fato que é óbvio para militares mas que costuma ser ignorado por civis: “as forças armadas não são instituições de governo”.
Nações localizadas em áreas normalmente complicadas como é o caso de Israel, sabem que de um momento para o outro serão obrigados a combater algum adversário e por isso procuram se armar e se preparar para a luta.
No caso do Brasil, o último grande conflito que se envolveu diretamente foi a guerra do Paraguai que terminou em 1870. O que significa que há 150 anos o Brasil não enfrenta uma clara ameaça estrangeira a sua soberania.
Esse longo período de paz e estabilidade geopolítica acaba inevitavelmente amolecendo um país, criando na sociedade uma sensação de paz eterna e uma percepção obviamente enganosa de que nunca mais enfrentará uma ameaça a nossa soberania. Com isso, a sociedade e o governo minimizam o papel das forças armadas. De um modo muito resumido o papel das forças armadas brasileira é garantir a defesa e a soberania do Brasil, tanto contra ameaças externas como internas. Diante isso, o investimento direcionado para as forças armadas e consequentemente a sua força e poder de reação acabaram reduzindo muito ao longo das últimas décadas. 
O site Global Firepower 2020 diz que o Brasil - com menos de 50 caças, alguns com mais de 40 anos; com menos que uma dezena de navio de escolta, alguns deles também com cerca de 4 décadas de uso; operando cerca de 400 blindados construídos entre os anos 70, 80 e 90 e sem nenhuma defesa aérea de média e longo alcance- está na 10º posição no ranking das maiores potências militares do mundo, a frente de países como Arábia Saudita, Israel e Australia. Só Israel tem centenas de caças modernos, quase dois mil blindados e opera as defesas aéreas mais modernas do mundo. 
Por isso, não se deixem enganar, as forças armadas brasileira estão mal equipadas em muitas áreas e precisam urgentemente de novos investimentos, algo que foi destacado recentemente pelo General Edson Leal Pujor, comandante do exército brasileiro, que disse: “ nosso exército é um dos menores do mundo, com uma força incompatível com a nossa dimensão territorial e com as riquezas presentes em nosso território", referindo-se ao fato de termos menos caças do que nações menores. 
O general também ressaltou que se ocorrer uma emergência não adianta colocar 100 bilhões de euros nas forças armadas já que o investimento militar exige tempo, normalmente longos anos até ser adequadamente assimilado em termos doutrinários.
O Brasil dado a sua dimensão e poder econômico deveria ser de longe a nação mais poderosa da América Latina. No entanto o Chile tem hoje uma força aérea melhor equipada que a do Brasil, a Venezuela tem defesas anti aérea de longo alcance que o nosso país nem em sonho tem algo parecido.
F-16 do Chile
Mesmo não participando de uma guerra há mais de 150 anos temos que nos precaver pois isso poderá mudar de uma hora para a outra. Basta observar os acordos que a Venezuela está firmando com a China e o Irã para comprar mísseis de longo alcance, radares e defesa anti aérea ainda mais avançada. E também há a ameaça de embargo econômico e comercial feita por Joe Biden, assim como o desejo do presidente francês Emmanuel Macron, de retirar a soberania brasileira sobre faixas da Amazônia para internacionalizá-la.
Se algumas dessas ameaças se materializar no espaço de três a cinco anos e o ritmo das inovações e investimentos não aumentarem, o Brasil não terá grande capacidade de se defender.
Com informações do Hoje no Mundo Militar

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Claro, os presidentes, Lula Ladrão, e Dilma, estocaroda de Vento, detonou o nosso Exercito, Marinha e.Aeronaltica, para esses Apatridas, não era interessante, equipar nossas Forças Armadas, quanto pior melhor, deveram estar presos, e no entanto, estão ainda gastando nosso dinheiro, com aposentadorias, polpudas, e o cidadão de bem brasileiro, pagando toda essa quadrilha! Até quando.....

    ResponderExcluir

Obrigado pela sugestão.