QUAL A RELAÇÃO ENTRE AS AGÊNCIAS DE CHECAGEM BRASILEIRA E GEORGE SOROS?

Desde a vitória de Donald Trump nas eleições americanas de 2016, a rede social do Tio Mark decidiu combater as chamadas ‘fake news’
Setores políticos e empresariais dos EUA acusam Trump de ter’ jogado sujo’ durante as eleições, propagando informações falsas (principalmente nas redes sociais) contra sua ex-concorrente à Casa Branca, Hillary Clinton.
Então, o Facebook anunciou que iria adotar uma checagem manual de dados no combate às “notícias falsas” em parceria com a IFCN (International Fact-Checking Network) .
A IFCN possui o International Fact-Checking Network fact-checkers code of principles, que são códigos que contém 5 princípios que devem ser aceitos pelos sites de notícias:
Entre esses princípios, estão:
-ApartidarismoTransparência das fontes
-Transparência dos recursos financeiros recebidos
-Transparência da metodologia
-Comprometimento com correções honestas
A rede social do Tio Mark alega que, quando as tais organizações “independentes” decidirem que uma notícia é falsa, ela será marcada com o status “sob disputa” na rede e haverá um link (para o usuário clicar) explicando o motivo da notícia ser falsa.
Além disso, a ‘tal notícia’ terá seu alcance reduzido dentro da Rede Social e um alerta será exibido nas vezes em que for compartilhada.
QUEM ESTÁ POR TRÁS DO IFCN?
site do Instituto Poynter, que faz a hospedagem do IFCN, diz que a iniciativa é financiada pela “Open Society Fundations“, que são organizações ligadas diretamente a George Soros, o principal e fiel apoiador da esquerda em todo o mundo. (se você tiver um tempinho, use o Google e pesquise um pouco mais sobre esse assunto)
Além de Soros, a  Open Society Fundations também é ligada a Omidyar Network, que já chegou a utilizar a Tides Foundation, uma das principais doadoras para causas de esquerda nos EUA, para financiar iniciativas pelo mundo.
Uma coisa é certa: a política mundial, bancada por bilionários esquerdistas como George Soros, está por trás de toda essa iniciativa.
Atualmente, as redes sociais trabalham com a seguinte configuração:
Se a notícia for de ‘esquerda’, ela é considerada como verdadeira.
Caso a notícia seja de ‘direita’, ela é banida.
Simples assim!
(Fernanda Vieira para o Correio Brasileiro – com informações de Marcelo Faria do portal ILISP)
Agências de checagem no Brasil
Fato ou Fake: criada pelo grupo Globo … dispensa mais comentários.
Aos Fatos: no site da agência, pode-se ler o seguinte: “Aos Fatos foi contratado pelo Facebook para atuar como third party fact-checker (verificador independente) por ser membro verificado da IFCN (International Fact-checking Network no Brasil). Para o Facebook, era indispensável envolver nesse projeto verificadores que tivessem passado pela auditoria internacional realizada pela IFCN
Lupa: no site da própria ‘agência’, a Lupa se diz “um membro verificado da International Fact-Checking Network (IFCN), grupo composto por plataformas de checagem que se reúne em torno do Poynter Institute (EUA) e se encontra anualmente para debater os rumos e os desafios do jornalismo.”
A Lupa diz que não recebe recursos de George Soros, porém ao verificar os financiadores do Poynter Institute, aparece o seguinte nome: Open Society Foundations.
A Open Society Foudations, por sua vez, é uma rede internacional de filantropia fundada pelo magnata George Soros, que apoia financeiramente grupos da sociedade civil em todo o mundo.
Fonte: Diário do Brasil

Postar um comentário

0 Comentários